GIGANTES DE AÇO

real-steel-movie-poster

8.0Em um futuro próximo, quando o boxe entre robôs é o esporte favorito de todos, um batalhador agente (Hugh Jackman) acredita ter encontrado um campeão em um velho robô abandonado em um ferro-velho. Enquanto tenta chegar ao topo das competições, ele descobre que tem um filho de 11 anos, que quer conhecer o pai.

Quanta diferença pode UMA ÚNICA CENA fazer para o resultado de um filme como um todo? Assistindo à GIGANTES DE AÇO, pode-se dizer que faz MUITA diferença. Esta aventura estrelada pelo sempre carismático Hugh Jackman, é carregada daquele clima de Sessão da Tarde, apesar de ser baseado em um sério conto de ficção-científica do mestre Richard Matheson. Mas aqui, a ficção é colocada em segundo plano, e o foco é na aventura cliché estilo ROCKY BALBOA entre pai e filho tentando se reconciliar, enquanto tentam transformar um velho robô que eles encontram em um ferro-velho, em um campeão. Falando nele, o robô. É um show à parte. Chamado de ATOM, o valente robô é o principal motivo de se assistir ao filme, tamanha a qualidade dos efeitos-especiais utilizados na criação da máquina. Não só na criação de ATOM, não. TODOS os robôs do filme são incrivelmente renderizados, e as presenças deles em cena, chamam a atenção pelo realismo. As lutas entre estes robôs de 3 metros de altura e toneladas de peso são realmente fantásticas e vibrantes. Nada daquela barulheira insuportável estilo TRANSFORMERS. É muito bacana também, a relação entre o menino, muito bem interpretado por Dakota Goyo (que em THOR, interpreta o herói quando criança), e o robô. (A cena em que o menino ensina o robô a dançar é hilariante, além de muito bem realizada). Mas, voltando à tal cena que mencionei no início, que na minha opinião, eleva pelo menos 2 PONTOS na métrica do filme sozinha, (e que eu não vou revelar pra não estragar a surpresa de quem ainda não assistiu o filme), e que acontece durante o clímax do filme: São aproximadamente 40 segundos, em câmera lenta, e que em meio à tantos efeitos-especiais e ação espetacular ocorrendo naquele exato momento, nos faz lembrar que o mais importante em uma boa história, são os valores humanos, e que nós, humanos, também quebramos, assim como os robôs do filme. Mas ao mesmo tempo, o nosso conserto não depende de outros, mas sim de nós mesmos. Esta cena sozinha, dá uma nova dimensão ao filme. Acredito que vão “sacar” de cara à qual cena estou me referindo.

VEJA O TRAILER DO FILME AQUI:

Anúncios

Deixe seu comentário...

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s