POLTERGEIST: O FENÔMENO

poltergeist-movie-poster-1020168887

9.5A família Freeling passa a ser visitada por fantasmas em sua nova casa. À princípio, as aparições parecem ser amigáveis, movendo objetos pela casa para espanto de todos. Mas com o tempo, estas aparições vão se tornando cada vez mais perigosas, e seu alvo principal, é a pequena Carol Anne, a criança mais nova da casa.

Clássico absoluto do gênero Horror lançado em 1982, escrito e produzido por Steven Spielberg e dirigido pelo bom (na época) diretor Tobe Hooper, de outro clássico do gênero: O MASSACRE DA SERRA-ELÉTRICA. Com efeitos-especiais que impressionam até hoje, mais de 30 anos depois de seu lançamento, POLTERGEIST: O FENÔMENO não só assusta, como arranca risos nervosos de quem os assiste, o que o torna um verdadeiro exemplar do que o cinema deveria fazer com todos os filmes lançados: DIVERTIR. O filme é uma montanha-russa de sustos bem orquestrados, sem apelação para o sangue ou violência (com exceção de apenas uma cena). Outro ponto alto do filme é o elenco. Jobeth Williams e Craig T. Nelson, no papel do casal atormentado por assombrações cada vez mais perigosas, dão o tom exato entre o choque, o encanto, e o terror que tal situação exerceria sobre pessoas reais. A identificação do público com estes personagens é imediata. Outra presença valiosíssima e que se tornou a marca registrada do filme, é a da atriz Zelda Rubinstein (de OS OLHOS DA CIDADE SÃO MEUS), que do alto de seus 1.30mt de altura, voz fina e gestos pequenos e contidos, é responsável por dar uma guinada monstruosa no filme, tamanho o carisma de sua personagem. Seu bordão “This house is clean” (“Esta casa está limpa”), entrou para o rol das frases mais célebres do cinema. Outra presença significativa do filme, é a da atriz Beatrice Straight, como a psicóloga Dra. Lesh, que acaba fazendo a ponte entre a família e a personagem de Rubinstein no filme. Sua presença fornece momentos de rara calmaria em meio à trajetória sofrida da família no filme. Atenção também ao tema incidental composto pelo mestre Jerry Goldsmith, que por vezes chega a ser tocante, mesmo em um filme de Horror. O filme estourou as bilheterias em seu lançamento, e tamanho sucesso rendeu duas sequências: A fraca POLTERGEIST 2: O OUTRO LADO, lançada em 1986, e a ainda pior POLTERGEIST III, lançada em 1988. Ambas as sequências não chegam nem aos pés do filme original. Agora, uma curiosidade tão triste quanto macabra: A linda e pequenina Heather O’Rourke, que interpretou Carol Anne nos três filmes da série, faleceu 6 meses depois do lançamento do terceiro filme, de uma inflamação crônica dos intestinos, com apenas 12 anos de idade. E Dominique Dunne, a atriz que interpreta Dana, a irmã mais velha de Carol Anne no primeiro filme, veio a falecer dois meses após a estréia do filme, no final de 1982. Dunne foi estrangulada por um ex-namorado e faleceu após 5 dias de internação hospitalar para tentar reverter o dano causado pelo estrangulamento. Esta mórbida coincidência, acabou dando uma aura de “filme maldito” para POLTERGEIST: O FENÔMENO. Maldito ou não, é um filmaço.

VEJA O TRAILER DO FILME AQUI:

Anúncios

Deixe seu comentário...

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s