13 ASSASSINOS

485765_192152354252704_1981850490_n

9.5No Japão feudal, um grupo de samurais renegados se reúne para uma missão suicida com o objetivo de exterminar um maligno Lorde, que oprime seu vilarejo.

Antes de falar desse filmaço, é preciso falar um pouco sobre seu diretor, o japonês Takashi Miike. Miike é há muito tempo um diretor cult, que apenas agora começou a ficar conhecido do grande público, principalmente fora do Japão. Os filmes de Miike não são para qualquer um. Geralmente são carregados na violência, sordidez e sadismo. Dificilmente algum de seus filmes têm censura abaixo de 18 anos, e alguns, como é o caso do filme ICHI: O ASSASSINO, são banidos dos cinemas na Europa e outras partes do Mundo. Outro exemplo forte de sua filmografia, é o já clássico AUDITION, um suspense dramático carregado de sadismo. Este 13 ASSASSINOS é seu filme mais tradicional, digamos assim, e é também disparado seu melhor filme. Mas isso não quer dizer que a violência não esteja presente. No início do filme, os atos de maldade cometidos pelo maligno Lorde Matsudaira (numa performance macabra de Gorô Inagaki), são o ápice da brutalidade, e quem não está acostumado com o cinema de Miike, pode até pensar em desistir do filme. Mas não o façam. O filme toma outro rumo, a história vai ficando cada vez melhor, e ao final, temos um tremendo filme de ação, com incríveis sequências de luta e personagens cativantes, com destaque para o líder do grupo de samurais, Shinzaemon Shimada, interpretado pelo ótimo Kôji Yakusho, de BABEL e DANÇA COMIGO (filme que originou o remake americano inferior com o Richard Gere).

Takashi Miike mostra aqui todo seu controle de câmera, orquestrando uma batalha gigantesca no terço final do filme, com ação de tirar o fôlego e bela fotografia. Quem tiver a chance de assistir esse excelente filme, o façam. Coloquem de lado o preconceito com filmes que não sejam americanos ou brasileiros, superem o início violento e dark do filme, e caiam de cabeça em um filme de ação diferente de tudo que você já viu. Miike prova com letras capitais que é possível sim, um filme de ação ser belo e poético.

VEJA AQUI O TRAILER DO FILME: